Booking.com

Sempre que um de nossos amigos lançam algo bacana, que a gente gosta e se orgulha, fazemos questão de mostrar para vocês, que sempre acompanham as nossas viagens. Hoje escrevo para apresentar o mais novo Guia do Museu Louvre: O essencial do Louvre, escrito pela nossa querida Patrícia Camargo, editora do Turomaquia e publicado pela editora Conexão Paris. Ótima pedida para você que gosta de arte e está planejando uma viagem para a capital francesa.

O guia é prático e simples, percorre as principais obras do museu, explicando a importância de cada uma, e para manter o foco, Patrícia destaca 18 obras que são ícones de três grandes movimentos artísticos: o Renascimento, o Neoclassicismo e o Romantismo. E ainda incluiu clássicos da Grécia Antiga e uma obra-prima da arte egípcia.

Com o conhecimento dessas obras, a autora garante que o leitor sairá do museu entendendo o significado desses movimentos e porque tais peças se tornaram grandes obras primas – tudo isso sem se sentir confuso com o excesso de informação.

Com a marca de aproximadamente 10 milhões de visitantes por ano, o Museu do Louvre tem um dos acervos mais importantes do mundo, reunindo peças da antiguidade ao século XIX. É um dos principais pontos turísticos de Paris, tendo o público brasileiro entre as cinco primeiras nacionalidades que mais visitam o museu.

guia-do-museu-do-louvre

Um pouquinho de história

Residência dos reis da França até 1678, quando Luís XIV escolheu se mudar para Versalhes, o Museu do Louvre foi aberto em 1793 após a Revolução Francesa – momento no qual as coleções reais passaram a ser de domínio do Estado. Grande parte do acervo que daria origem ao Louvre veio do Museu de Luxemburgo, primeiro museu da França, inaugurado em 1750.

Na época de Napoleão, o Louvre passou a se chamar Museu Napoleão – uma espécie de propaganda para o Imperador. Já em 1938, quando Hitler invadiu a Áustria e parte da Checoslováquia, as autoridades francesas iniciaram uma operação de evacuação das obras do museu para castelos situados longe do alvo de bombas. Assim, 3.691 pinturas (incluindo a Mona Lisa) foram desmontadas de suas molduras e encaixotadas para uma viagem sem escoltas ou seguranças.

Hoje, as mais de 35 mil obras (o museu também oferece exposições temporárias com novas peças) estão distribuídas em três alas que levam o nome de importantes funcionários de Estado da história da França: Sully (ministro da Fazenda do rei Henri IV), Richelieu (cardeal e ministro do rei Luís XIII) e Denon (ministro das Artes e depois diretor do Museu Central de Arte no governo de Napoleão I).

As famosas pirâmides do Louvre – que já serviram de cenário para grandes filmes como “O Código Da Vinci” – foram construídas pelo arquiteto norte-americano de origem chinesa Leoh Ming Pel, em 1988. A grande estrutura de metal e vidro tem cerca de 20 metros de altura e 35 metros de base, contando ainda com 673 painéis de vidro, 603 losangos e 70 em formato de triângulo.

O Essencial do Louvre por Patrícia Camargo

Editora Conexão Paris – 1ª edição – 33 páginas.

Versão impressa R$ 36,00 e em formato PDF para e-book R$ 26,00.

À venda no Conexão Paris – www.conexaoparis.com.br/lojinha/produto/o-essencial-museu-louvre/